coworking
coworking
Empreendedor

Como o trabalho e a vida coletiva estão redefinindo o espaço como um ‘serviço’

102views

Algumas das empresas mais inovadoras e lucrativas do mundo baseiam seus modelos de negócios na comercialização de recursos inexplorados. O Facebook confia em seus usuários para gerar conteúdo e dados há anos, e as organizações estão começando a perceber o valor de coletar, processar, armazenar e agir em face da big data.

Na indústria de AEC, algumas empresas estão descobrindo o potencial oculto do excesso de energia gerado pelos edifícios, enquanto outras estão tentando usar as grandes áreas dos telhados de mega shoppings e supermercados para a captação de energia solar. O Airbnb converteu unidades habitacionais pouco usadas em ativos, permitindo que as pessoas gerassem renda adicional alugando suas casas para viajantes.

As noções tradicionais de espaço “privado” e “público” estão sendo desgastadas sob a influência de uma economia de trocas e do avanço tecnológico. O espaço está sendo reconhecido como um produto lucrativo por direito próprio.

O setor de imóveis comerciais está passando por mudanças semelhantes. Escritórios de coworking de Ribeirão Preto e do restante do país estão surgindo nas grandes cidades, com proprietários de edifícios encontrando maneiras de tirar proveito de mesas e escritórios de pouco uso, visando um número crescente de pessoas que trabalham em casa ou fora de seus escritórios principais.

Segundo o IGBE o número de trabalhadores autônomos brasileiros corresponde a 24,8 milhões de pessoas, sendo assim 28,3% da população. E esse número tende a aumentar nos anos seguintes.

De acordo com a pesquisa de 2014 do All State-National Journal Heartland Monitor, a geração do milênio prefere trabalhar em lugares onde possa encontrar uma comunidade de pessoas com ideias semelhantes. Várias outras pesquisas confirmaram que a geração do milênio deseja um local de trabalho “divertido e social”, horários de trabalho flexíveis e valor no estilo de vida e nas viagens.

Eles estão menos interessados ​​em comprar uma casa, mas estão dispostos a gastar dinheiro em experiências e eventos. O aumento da mobilidade e o surgimento da economia compartilhada não estão apenas mudando a maneira como as gerações mais jovens vivem, trabalham e viajam, mas também transformam nosso ambiente físico.

Encontrar um espaço de escritório e criar a infraestrutura necessária para operá-lo pode ser uma tarefa difícil para quem está começando. Os proprietários estão frequentemente interessados ​​em contratos de longo prazo, o que dificilmente é ideal para empresas jovens e freelancers.

 

Reconhecendo a necessidade de maior conveniência

Flexibilidade e menos responsabilidade, empresas como a WeWork desenvolveram modelos de negócios de sucesso em torno da ideia de espaço como serviço.

Fundada em 2010, a WeWork foi pioneira no espaço como uma tendência em serviços e é um dos consumidores de espaço para escritórios que mais cresce na cidade de Nova York. Reconhecendo o desaparecimento de 9-5 empregos, seus fundadores decidiram criar um serviço que funcionasse como uma “rede social física”.

Essencialmente, a WeWork transformou um negócio imobiliário em uma plataforma de tecnologia. A ideia de partilhar o espaço não é nova, mas foi traduzida pela WeWork de um espaço de troca para um conceito intimamente relacionado com os hábitos de vida e de trabalho das gerações mais jovens.

A WeWork aluga grandes espaços aos proprietários e depois subloca, com uma margem, em pequenos blocos de espaço útil. A empresa atualmente administra mais de 3 milhões de pés quadrados de espaço.

Eles oferecem acesso “pague conforme o uso” ou assinatura “commons ilimitado” que permite às pessoas usarem os locais WeWork em qualquer lugar do mundo. Eles fornecem aos inquilinos Internet, serviços de impressão e bebidas, bem como locais para relaxar e fazer uma pausa no trabalho. A empresa cuida de tudo em termos de funcionamento do próprio escritório, desde contas de serviços públicos até reabastecer a tinta da impressora.

A empresa começou recentemente a testar sua primeira oferta de residência. Seu primeiro conjunto habitacional em grupo, localizado na cidade de Nova York, acomoda atualmente 80 membros do WeWork em 45 unidades de apartamentos, com planos para abrigar mais de 600 pessoas em 20 andares. Todos os lojistas têm acesso aos eventos da comunidade por meio de um aplicativo móvel, por meio do qual podem compartilhar serviços de limpeza, lavanderia e serviços públicos.

O micro-aluguer, no qual se baseia o conceito WeLive, é a última tendência do imobiliário residencial. O conceito é simples: uma empresa aluga uma grande unidade habitacional, cria espaços comuns e subloca quartos individuais para pessoas em um período de curto prazo. As empresas de co-living não são proprietárias da propriedade, mas atuam como administradoras de propriedades.

O abandono de contratos de longo prazo para arranjos de micro-aluguel mês a mês atrai a geração do milênio, que está muito mais confortável com soluções de habitação temporária do que as gerações anteriores.

Os contratos de curto prazo são mais adequados para recém-formados e profissionais que mudam de local com frequência ou não têm condições de comprar suas próprias casas. Como um número crescente de jovens de 25 a 34 anos está morando com parceiros e permanecendo solteiros por mais tempo do que as gerações anteriores, a mobilidade se torna o fator decisivo na escolha de uma moradia adequada.

A startup Coexistence Common recentemente levantou US $ 7,5 milhões em fundos da Série A e anunciou a abertura de uma residência de 51 quartos em Williamsburg, Nova York. Este é o terceiro prédio da empresa em Brooklyn, Nova York, e o primeiro desenvolvimento desde o início.

As condições de arrendamento dos espaços aqui são mais ou menos iguais às de outras novas empresas de convivência. O que a diferencia da Common para evitar o destino da Campus, startup forçada a fechar suas instalações por não conseguir criar “uma empresa economicamente viável”, é que a Common se associa diretamente com as imobiliárias que compram os prédios. Isso permite que eles economizem no aluguel e tenham maior controle sobre os espaços.

A coexistência no trabalho e em casa são os tipos de espaço mais dominantes como conceito de serviço. Provou ser uma força transformadora, mudando drasticamente o setor imobiliário residencial e comercial.

A proliferação da economia compartilhada está iluminando os potenciais ocultos dos espaços físicos e mudando a forma como a arquitetura é usada e habitada. Esse fenômeno pode mudar irreversivelmente a forma como projetamos edifícios e nosso pensamento sobre o desenvolvimento urbano.